Para voltar a gerar emprego e renda, o Brasil precisa encarar alguns grandes desafios que impedem o desenvolvimento sustentável da nossa economia. Um desses grandes gargalos é a infraestrutura de logística, especialmente quando comparada ao caso de países em desenvolvimento com o mesmo perfil que nós temos. Num índice internacional que mede a qualidade da infraestrutura em 137 países, o Brasil aparece na posição nº 73, atrás de competidores importantes como Índia (66), México (62), China (46), Uruguai (45), Chile (41) e Rússia (35). Os dados são da Pesquisa Ipsos Global Infrastructure, vinculada ao Banco Mundial.

Quando o critério é a logística de cargas, o Brasil também segue ineficiente em comparação com outros países em desenvolvimento, como Índia e África do Sul. Isso se deve principalmente ao uso excessivo de rodovias em detrimento de outros modais de transporte mais baratos e eficientes, como ferrovias ou hidrovias. Consequência direta de uma escolha histórica do Brasil em privilegiar o setor automotivo, opção com raízes que vem desde os governos Vargas e Juscelino.

O caminho para corrigir essa distorção é bastante longo. Entre 2011 e 2016, nosso investimento médio anual no setor ficou na casa de 0,9% do PIB. Estudos da Consultoria Oliver Wyman estimam que para modernizar a nossa infraestrutura é necessário elevar o investimento para um patamar de 2% do PIB/ano ao longo dos próximos 25 anos, sem interrupções.

Em meio ao conhecido cenário de falta de recursos do governo federal, que não consegue fechar as contas fora do vermelho desde o governo Dilma, não resta outra alternativa que não a atração de investimentos privado. Para isso, é preciso reformar a regulação em busca de segurança jurídica e maior eficiência.

Para ajudar nesse trabalho é que o deputado federal Franco Cartafina, associado do Livres, tornou-se membro titular da Comissão Especial que analisa o novo marco regulatório das Parcerias Público-Privadas. “Temos que aprimorar a legislação das parcerias público privadas para estimular o aumento dos recursos privados, sobretudo para infraestrutura. Esse é um caminho importante para gerar renda, emprego e desenvolvimento”, defende Franco.

O Livres segue de perto auxiliando o deputado pelo aperfeiçoamento da legislação em busca de maior participação do setor privado na infraestrutura.