fbpx
Professor do Insper e curador do projeto Fronteiras do Pensamento. Foi diretor da Fundação Iberê Camargo.

Siga nas redes sociais

Esse artigo foi originalmente publicado na Folha de S. Paulo. Leia na íntegra aqui.

Como de hábito, a desinformação toma conta do debate público quando se trata de temas complexos de gestão pública. Não foi diferente com a discussão sobre a suposta “privatização do SUS”, provocada pelo anúncio (mal feito e depois revisto) de que o governo estudaria a gestão de unidades básicas de saúde em parceria com o setor privado.

O curioso é que este debate é antigo, e o país há muito conta com uma sofisticada legislação regulando a gestão em parceria com o setor privado. Apenas no município de São Paulo, mais de 60% das unidades básicas de saúde são gerenciadas por organizações sociais privadas.

A pergunta a ser feita é: com os cuidados devidos, isto é, bons contratos e boa supervisão, os modelos de parceria podem funcionar melhor para as pessoas, em regra os mais pobres, que irão efetivamente utilizar os serviços?

Há muita pesquisa sobre o tema. Uma delas é de Marcelle Gaiguer, da Fucape Business School, no Espírito Santo. Ela comparou a gestão de um hospital público tradicional com a de um hospital gerenciado por uma organização social privada, na capital capixaba, e os resultados foram bastante claros.

No modelo de gestão privada, a estrutura é mais enxuta, as taxas de infecção são significativamente mais baixas e tempo médio de permanência do paciente é menor.

O estudo conclui que “quando abordamos o custo total em relação ao volume de produção (…) encontramos maior eficiência” no hospital sob gestão privada, e que “os indicadores de qualidade (taxa de infecção hospitalar) registram que na OS a gestão mais eficiente dos custos não penaliza a qualidade”.

Vão na mesma direção pesquisas muito mais abrangentes. É o caso do estudo realizado por Daniel Corrêa, da Universidade do Porto, a partir de dados do Ministério da Saúde e considerando 808 hospitais públicos brasileiros.

Os hospitais públicos de gestão privada registraram eficiência 8,4% superior aos da administração direta. Daniel conclui que “a maior autonomia gerencial, regras de recursos humanos, legislação trabalhista e mecanismos de contratação mais ágeis aumentam a eficiência dos hospitais públicos”.

Alguém poderia perguntar: mas e as PPPs? Quando a gestão é feita via organizações sociais a entidade não visa lucro. O mesmo não ocorre no modelo das parcerias público-privadas. A questão relevante se repete: é um modelo capaz de produzir melhores serviços para as pessoas?

Um indicativo vem da área da educação, a partir da pesquisa feita por Bruno Rodriguez, da FGV (Fundação Getulio Vargas), junto à rede de escolas públicas de Belo Horizonte, construídas e gerenciadas na forma de PPP. O modelo de gestão é híbrido. O parceiro privado faz a gestão operacional e os professores da rede municipal o trabalho pedagógico.

Os resultados são claríssimos. A avaliação dos serviços é superior, e os diretores das escolas contratualizadas têm 25% mais de tempo para as atividades educacionais, ao invés de cuidar da administração e “apagar incêndios”. Um dado em particular chama a atenção: o tempo de construção das unidades. Máximo de 13 meses, ou 45% inferior ao tempo médio gasto nas unidades feitas diretamente pelo governo.

Isso poderia acontecer na saúde, não? Médicos e enfermeiros focados em suas atividades em um ambiente de baixa burocracia. As pesquisas apontam caminhos. É preciso tirar a raiva política do debate. Defender que o governo possa estabelecer parcerias não significa que o Estado abrirá mão de prestar serviços ou garantir direitos.

Ao contrário: significa que o governo estará focado na qualidade que chega na ponta e não nos interesses das corporações que estão no meio. Visão de Estado, não de máquina pública. No Brasil se confunde, historicamente, o que é público e o que é estatal. Está na hora de desfazer essa confusão.

Para quem quiser clarear as ideias sugiro assistir a um concerto da Osesp, na Sala São Paulo. Observe a arquitetura, a acústica impecável, a qualidade da música. Aquilo tudo é bastante complexo, 100% público e 100% gestão privada. E funciona. Talvez sirva de inspiração.​​