Advogado, professor de direito, conselheiro do Instituto Mises Brasil e diretor de ativismo jurídico do Livres Advogado, professor de direito, conselheiro do Instituto Mises Brasil e diretor de ativismo jurídico do Livres

Siga nas redes sociais

A Reforma da Previdência foi aprovada na última semana no primeiro turno na Câmara dos Deputados, sendo válida para todos os brasileiros, quebrando a maior parte dos privilégios. Infelizmente, por força das corporações, policiais e professores foram beneficiados. Como partido, somente o NOVO votou contra isso, destacando que estava defendendo todos os brasileiros, não uma classe e/ou corporação.

Alguns pontos chamaram atenção: a expressiva votação no primeiro turno, o apoio popular, a votação favorável de quase metade do PSB e trinta por cento do PDT, a votação da “nova esquerda”, como Tábata Amaral e Felipe Rigoni, e a reação completamente desajustada de um coronel. 

O Coronel, que sempre está em busca de um novo feudo, manifestou-se no seu feudo atual, o PDT. Informou que expulsaria a deputada Tábata por ter votado a favor da Reforma da Previdência. Apesar de trinta por cento do PDT terem votado dessa forma, o Coronel somente fez referência à deputada. Seria machismo? Covardia?

O estranho dessa história toda é que houve um acordo entre o Acredito, grupo formado por Tabata e Rigoni, com o PDT, no qual esse grupo teria total independência na sua votação. Isso foi aceito para eleição, aumentando assim seu fundo partidário e participação na Câmara, porém na hora em que esse grupo decide ter o mínimo de noção de Economia, o Coronel sai do sério. Mas vamos demonstrar algumas mentiras e contradições dele. 

Na eleição do último ano, o Coronel defendeu a necessidade da Reforma da Previdência, dizendo que “era uma das reformas mais importantes para o país”. Além disso, o Coronel defendeu que o sistema de repartição, atual sistema de previdência, em que quem trabalha paga aos aposentados, um verdadeiro sistema de pirâmide, fosse substituído pelo sistema de capitalização.

Como o Coronel não conseguiu se juntar ao partido que está no poder, o que fez em várias outras ocasiões, destaca agora que é contra a reforma, contra a capitalização e contra tudo aquilo que defendeu. Ah, você acha facilmente tudo em vídeo. 

Por fim, repugno o ataque covarde feito pelo Coronel contra a deputada Tábata, repugno a covardia, repugno o descompromisso com os acordos formados. Repugno esse senhor ainda ter força no Ceará. Podemos mudar isso, cabe a nós ter algo novo próximo ano!