As mudanças nas relações de gênero e a construção de uma sociedade mais plural e igualitária serão temas de um debate no próximo sábado, véspera do Dia das Mães, com a participação de Elena Landau, presidente do Conselho Acadêmico do Livres. Uma realização do Colégio e Curso de A a Z, em parceria com a plataforma de gênero e diversidade Celina, do GLOBO, o Cine Debate Feminismos & Novas Masculinidades será um espaço de discussão da juventude sobre quebra de padrões, novos comportamentos e papéis sociais.

Todos os anos, a instituição de ensino realiza um evento para discutir temas relevantes com alunos e ex-alunos. Esta é a segunda edição em parceria com o jornal, e também é aberta à participação de seus leitores.

Na primeira parte do encontro, será exibido um vídeo produzido pelo GLOBO sobre coletivos feministas de escolas públicas e privadas do Rio e de São Paulo.

Representantes desses grupos e especialistas em questões de gênero contam como o movimento ganhou força, a partir de 2015, quando milhares de mulheres foram às ruas das principais capitais do país para protestar contra um projeto de lei que pretendia, entre outras medidas, dificultar o acesso ao aborto legal em caso de estupro e à pílula do dia seguinte no SUS.

Nesse mesmo ano, surgiu a campanha #PrimeiroAssedio, marco recente das discussões de gênero no Brasil. A campanha, criada pelo coletivo Think Olga, reúne relatos de mulheres sobre suas memórias pessoais. Nessa esteira, as estudantes começaram a se organizar nas escolas. O debate ocorrerá logo após a exibição do vídeo.

— Entender todas as vertentes do feminismo e como os adolescentes estão vivendo essa transição de pensamento, de uma sociedade mais conservadora e antiquada para algo mais plural, é muito importante — diz Antônia Burke, professora de Redação do colégio, que fará a mediação do debate ao lado de Rafael Pinna, vice-diretor do educandário.

— Como é para os meninos, que têm privilégios históricos, conviver com feministas? Queremos ouvir o poder de argumentação dos nossos alunos — afirma Antônia.

A escolha do tema, conta a professora, deu-se por duas razões. Primeiro, por entenderem que é relevante e urgente discuti-lo, diante das transformações pelas quais a sociedade vem passando. Segundo, por ser um tema recorrente nas provas que dão acesso às universidades.

O Colégio e Curso de A a Z tem 2,2 mil alunos, do 9° ano do ensino fundamental ao 3° ano do ensino médio, espalhados por sete unidades da capital fluminense.

Os alunos da instituição e os leitores do GLOBO que estiverem presentes poderão interagir com os cinco debatedores convidados: Flávia Oliveira, Elena Landau, Sócrates Nolasco, Eduardo Speroni e Juliana Andrade Lessa.

Flávia é jornalista e colunista do GLOBO e da rádio CBN e comentarista do Estúdio i e do Edição das 18h, da GloboNews. Elena é economista e advogada e atualmente preside o conselho acadêmico do Livres, movimento liberal suprapartidário que desenvolve lideranças, políticas públicas e projetos de impacto social no Brasil. Nolasco é psicólogo, professor universitário e autor de livros sobre o tema masculinidade.

Speroni, que é ator, interpreta Bebeto na novela o “O Sétimo Guardião”, da Rede Globo. Seu personagem sonha ser dançarino, mas enfrenta preconceito do pai, que acredita que a dança não é atividade para um homem. Juliana é estudante do Colégio Pedro II, integra o coletivo de meninas negras Agbara e representa o Rio de Janeiro no Parlamento Juvenil Mercosul (PJM), com o projeto Inclusão Educativa dos Jovens Negros.

— O objetivo principal do coletivo é fazer a luta sair só da fala e as meninas se posicionarem em situações de machismo e racismo — diz a estudante.

A editora executiva do GLOBO Maria Fernanda Delmas ressalta que o tema do feminismo e das novas masculinidades vem despertando cada vez mais interesse de leitores de todas as idades:

— Será muito interessante participar de um debate com os jovens e ouvir sobre as experiências e os anseios deles. Para os jornalistas, é um momento muito rico.

O evento começa às 8h no Teatro Oi Casa Grande, no Leblon. As inscrições podem ser feitas pelo site. O ingresso é um quilo de alimento não perecível, que será doado pelo colégio a instituições de caridade. As vagas são limitadas.