fbpx

Deputado estadual associado ao Livres em Alagoas, Davi Maia (DEM) denunciou nesta quarta-feira (22) em sessão na Assembleia Legislativa do Estado uma série de irregularidades no Laboratório Central de Alagoas (Lacen/AL) durante a pandemia do novo coronavírus.

Entre os problemas denunciados estão priorização de conhecidos, atraso na realização de exames, falta de kits, equipamentos quebrados e testes imprecisos. Davi apresentou documentos que mostram que a esposa do primeiro paciente que veio a óbito por Covid-19 no estado foi dada como contaminada sem ao menos fazer o teste pois não havia kits disponíveis.

Além disso, o nepotismo é forte no laboratório do Governo do Estado e ganhou holofotes por conta da atual crise. “O filho da chefe setorial da soroteca trabalha no setor de análises, o esposo é o chefe do TI, a filha é advogada do Lacen e a nora é chefe da imunologia”, contou Davi.

Davi já pediu parecer do órgão e protocolou na Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa requerimento das oitivas de servidores atuais e antigos do Lacen.

Alagoas tem 243 contaminados e 20 mortos pelo novo coronavírus. A ocupação dos leitos de UTI está em 20% da capacidade máxima. Alguns dos pacientes testados positivos passaram quase 15 dias esperando pelo resultado.