fbpx

Davi Maia, deputado estadual associado do Livres em Alagoas, é um dos 32 parlamentares nordestinos que lideram a Comissão Parlamentar Interestadual de Acompanhamento e Fiscalização do Consórcio Nordeste. Nesta quarta-feira (8), a CPI obteve sua primeira vitória ao conseguir a proibição de repasses do governo do RN ao Consórcio.

A Justiça do Rio Grande do Norte considerou que os repasses deveriam ser suspensos até que fosse julgada uma ação popular que pede que o Consórcio providencie o ressarcimento ao estado do RN da quantia de R$ 4.947.535,80 adiantados para a compra de 30 respiradores, que seriam utilizados para o combate ao coronavírus mas nunca foram entregues.

Em Alagoas, a luta de Davi Maia é similar. O deputado fez um requerimento para que o Tribunal de Contas do Estado realize auditoria de dois contratos da Secretaria de Saúde de Alagoas com a empresa fornecedora de respiradores contratada pelo Consórcio Nordeste. Estima-se que o Estado de Alagoas foi lesado em mais de R$ 5 milhões.

Na Bahia, a Operação Ragnarok prendeu três pessoas ligadas a empresa Hempcare, que vendeu mas nunca entregou respiradores ao Consórcio. O contrato firmado era no valor de R$ 48,7 milhões.