Há exatos 25 anos, o Plano Real salvou o Brasil da hiperinflação, libertando a população do pesadelo de ver os preços de todos os produtos aumentando absurdamente a cada dia. Essa bomba-relógio armada pela ditadura militar destruiu o poder de compra da população, espalhou pobreza e gerou instabilidade.

Naquele tempo, a mais simples tarefa cotidiana era um verdadeiro inferno. Como comprar comida quando o preço do feijão, do arroz e do ovo são um mistério? No começo do mês, a corrida para os supermercados era insana. Assim que recebia o salário, o trabalhador precisava correr para comprar os produtos básicos antes que o funcionário com a máquina de remarcar preços na mão aplicasse uma nova etiqueta e deixasse a comida mais cara.

Ninguém sabia quanto ganhava de verdade. Com a instabilidade de preços, era impossível ter uma referência sobre o que se podia comprar com o próprio salário em cada mês. Obviamente, era muito pior para os pobres. Os ricos tinham suas estratégias de defesa através de aplicações bancárias complexas.

Na origem de todo esse caos econômico estava uma mistura entre o completo descontrole das contas públicas e o populismo. A bagunça era gigantesca. De uma dimensão que só um governo que não precisava prestar contas à sociedade seria capaz de causar.

O Plano Real teve o propósito de pôr fim a farra, controlar os gastos do governo e limitar o poder dos políticos. Desta forma, permitiu que o povo brasileiro finalmente tivesse algum poder de decisão sobre o próprio dinheiro e alguma condição de começar a planejar o próprio futuro. Em apenas 2 anos de vigência do Plano Real, 9 milhões de brasileiros saíram da miséria.

Mesmo assim, de lá pra cá, não foram poucas as mentiras lançadas sobre os princípios de limitação do governo que sustentaram o Plano Real. Quantas vezes você não ouviu falarem mal das privatizações, por exemplo?

Para recuperar essa história e valorizar o importante legado do Plano Real para o Brasil e a liberdade dos brasileiros, estamos iniciando uma série de publicações que começa hoje, aniversário de 25 anos da URV (marco inicial do período de transição da moeda) até 1º de julho, quando irão completar 25 anos do Real como a nossa moeda oficial.

Conversamos com grandes nomes que fizeram parte da criação e execução do plano que organizou a bagunça e tirou milhões de pessoas da pobreza, como Persio Arida, Pedro Malan, Gustavo Franco, Edmar Bacha, Rubens Ricupero e Fernando Henrique Cardoso.

Vamos contar os desafios na implementação e as histórias dos bastidores do plano, recuperar o noticiário da época, trazer depoimentos sobre o cotidiano das pessoas e contextualizar a história da inflação brasileira, além dos planos econômicos anteriores que não conseguiram resolver o problema.

Tudo isso com textos, videos e infográficos didáticos, transmitindo para as novas gerações que a liberdade de um país se constrói com várias mãos – e com a limitação do governo.

Acompanhe ao longo dos próximos dias pelo hotsite especial #Real25Anos.

  • Entrevistas com os criadores do Real
  • Infográficos sobre a inflação e os planos econômicos
  • Depoimentos sobre o cotidiano com a inflação
  • Linha do tempo com os principais acontecimentos