Com a economia brasileira em crise, as famílias foram obrigadas a rever seu orçamento e cortar gastos, mas o governo continuou fora da realidade, gastando cada vez mais. São as famílias que, com o seu trabalho, sustentam o governo.

Ou seja, proporcionalmente gastamos menos com nós mesmos e nossas famílias, enquanto os desperdícios estatais continuam como se fossem tempos de bonança. Até porque a crise foi gerada exatamente por essas extravagâncias, ao longo de décadas de desorganização tributária.

Hoje, temos que nos privar de consumir para sustentar os luxos de uma corte de privilegiados.

Precisamos de menos dinheiro nas mãos ineficientes dos governantes e burocratas do governo, e mais dinheiro nas mãos de quem o produziu: o cidadão.