Em decorrência da falta de saneamento básico, a convivência com o esgoto a céu aberto causa doenças que afetam o desenvolvimento infantil, prejudicam o desempenho escolar e levam até a morte de milhares de crianças todos os anos.

Hoje, em pleno século XXI, praticamente metade do Brasil ainda vive submetida a essa situação vergonhosa, que foi resolvida por muitos países ainda no século XIX.

A MP 868 modifica o marco regulatório do setor, promovendo a concorrência e fornecendo segurança jurídica para o aumento dos investimentos privados no setor.

Se o nível atual de investimentos for mantido, o Brasil prolongará a falta de saneamento até 2052, segundo projeção da CNI, com custo anual de R$ 1,5 bilhão no SUS em tratamentos decorrentes.

Em defesa das 340 mil pessoas que são internadas todos os anos com doenças causadas pela exposição a esgoto não tratado, o Livres defende a aprovação da MP 868, que precisa ser votada com urgência no plenário da Câmara dos Deputados.