Há quem confunda atraso, intolerância e reacionarismo moral com liberalismo clássico.

Há quem ache que apoiar meia dúzia de propostas econômicas seja o bastante para se dizer defensor do liberalismo.

Nesses tempos de muita confusão conceitual sobre o que é ser liberal, ganham especial relevância as palavras de um aniversariante desta semana, o escritor Mário Vargas Llosa.

Prêmio Nobel de literatura e um dos maiores pensadores liberais da atualidade, ele escreveu:

“O liberalismo não é uma receita econômica, mas uma atitude fundada na tolerância e no respeito, no amor pela cultura, na vontade de coexistir com o outro e numa defesa firme da liberdade”.