fbpx
Doutor em Filosofia pela USP e professor e pesquisador do Laboratório de Compartamento e Mídia da Fundasp/PUC-SP. É editor-chefe do Estado da Arte.

Siga nas redes sociais

Esse artigo foi originalmente publicado na VEJA em janeiro de 2019. Leia na íntegra aqui.

No dia 22 de julho de 2011, Anders Breivik realizou o maior ataque em solo norueguês desde a Segunda Guerra Mundial. Em um intervalo de poucas horas, 8 pessoas morreram e 209 ficaram feridas na explosão de um carro-bomba preparado por Breivik em Oslo. Na ilha de Utoya, onde integrantes da juventude do Partido Trabalhista norueguês participavam de um acampamento, Breivik matou 69 pessoas e feriu outras 110. Antes de cometer os ataques, o perturbado militante de extrema-direita enviou um manifesto de mais de 1.500 páginas para mais de mil contatos de sua caixa de e-mail. Em meio a inúmeras citações e referências, pode-se dizer que o fundamento de toda a paranoica teoria conspiratória desse norueguês de 32 anos era o assim chamado “marxismo cultural”. No coração de sua loucura, cópias e paráfrases de trabalhos da extrema-direita americana sobre o tema. Entre eles, chama a atenção a menção a um artigo de 1992 escrito por um obscuro indivíduo chamado Michael Minnicino e intitulado “The New Dark Age: The Frankfurt School and `Political Correctness’” (“A Nova Idade das Trevas: A Escola de Frankfurt e o Politicamente Correto”).

Passados oito anos do massacre de Anders Breivik na Noruega, o artigo de Minnicino e a teoria conspiratória que ajudou a trazer à luz – o “marxismo cultural” – continuam a fazer estragos. Felizmente, dessa vez, não estamos falando de um banho de sangue, mas sim de um constrangedor caso de plágio (ao que tudo indica) e de inaptidão intelectual e profissional para uma posição governamental. Murilo Resende Ferreira, doutor em economia pela Fundação Getúlio Vargas, ex-professor de uma faculdade privada em Goiânia e seguidor de Olavo de Carvalho, foi indicado pelo governo Bolsonaro para o cargo de Diretor de Avaliação de Ensino Básico do Inep, órgão responsável pelo Enem. Ao longo da semana, o inexperiente militante das teses de Carvalho e do movimento Escola Sem Partido viu-se às voltas com a questão da autoria de um de seus artigos, publicado em uma até então desconhecida revista digital dedicada a pautas reacionárias, intitulado “A Escola de Franfkurt: satanismo, feiúra e revolução”. O artigo, em verdade, não é mais que uma tradução (mal) adaptada do texto de Minnicino de 1992 – sim, um dos textos fundadores das teorias conspiratórias que levaram Breivik a matar 77 pessoas e a ferir outras 319.

Do plágio à paranoia

Que se trata de um plágio é algo que parece evidente. A defesa do novo diretor do Daeb do Inep se resumiu à tese de que forneceu o link para o original, o que é irrelevante – o texto consta como artigo de sua autoria no currículo Lattes, por exemplo. A evidência do plágio, examinada não sem detalhes nas redes sociais (aqui e aqui), é já matéria para reflexão legal, e sua suspeita (tão fartamente embasada) deveria ser motivo para imediata remoção do cargo deste diretor que, para começo de conversa, não tinha credencial alguma para ocupar a posição em que se encontra. Muito mais grave que o problema legal e formal do provável plágio é a ligação entusiasmada de Murilo Resende Ferreira com o conteúdo veiculado no texto, isto é, com as teorias conspiratórias veiculadas pelo artigo de Minnicino e por toda uma pequena indústria de paranoias persecutórias nos círculos extremistas da direita americana, hoje com franca circulação internacional. Desautorizado pelo próprio autor após os ataques de Breivik e considerado “falho” por suas digressões por William S. Lind – que, juntamente com Pat Buchanan, é o maior responsável pela propagação da teoria conspiratória do “marxismo cultural” –, é um verdadeiro assombro que o artigo tenha despertado tal interesse no goiano de 32 anos que terá a realização do Enem entre as suas novas responsabilidades.

O artigo original do imbróglio, o de Michael Minnicino, em 1992, assemelha-se a um conto fracassado de Jorge Luís Borges. Como sabem os leitores do autor de O Aleph, era comum em seus escritos a falsa historiografia de um problema conceitual, de um manuscrito (também falso) de um filósofo ou escritor (por vezes, igualmente falso). Tudo isso, contudo, na ficção de Borges, vem sempre “contaminado” por algumas verdades factuais. Na ficção, funciona maravilhosamente bem – como no caso de Borges. Em um artigo que se pretende objetivo e comprometido com dados e fatos, obviamente o resultado é o oposto. Minnicino, em seu “The Frankfurt School and ‘Political Correctness’”, fonte do plágio/“tradução adaptada” do novo coordenador do Enem, mistura algumas informações factuais verdadeiras, como a trajetória de estudos e atuação profissional de alguns dos fundadores e nomes mais proeminentes do Instituto para Pesquisas Sociais de Frankfurt (Theodor Adorno, Walter Benjamin, Max Horkheimer) com um conjunto de afirmações flagrantemente falsas (o escritor italiano Umberto Eco é apresentado como um “terrorista” influenciado por e divulgador de teses frankfurtianas) e outras tantas são aberta e francamente conspirações antissemitas disfarçadas de conclusões intelectuais.

Os exemplos são vários, e não há um único que não desça às profundezas do puramente abjeto: os estudos sobre a personalidade autoritária conduzidos, entre outros, por Adorno e Horkheimer, são uma manipulação da psicanálise (judia) de Freud conduzida pelos (judeus) frankfurtianos para atestar o potencial fascista dos “gentios”, uma tese propagada pela (judia) Hannah Arendt posteriormente em seu Eichmann em Jerusalém –; toda a campanha política é manipulada pelas técnicas da psicanálise (judia); dos mais altos prazeres estéticos com a literatura aos mais elementares momentos de entretenimento com o rádio, os intelectuais (judeus) da Escola de Frankfurt a tudo conspurcaram; sua estratégia de lavagem cerebral havia sido preparada, é claro – preparem-se, leitores – pelos anos em que muitos deles serviram, durante a Segunda Guerra Mundial, ao Office of Strategic Services (Escritório de Serviços Estratégicos), órgão de inteligência precursor da CIA.

Judeus, manipulação da opinião pública, manipulação de campanhas, judeus, manipulação da cultura, judeus – e o órgão precursor da CIA, claro. Se alguém tentasse fazer uma caricatura do que é a patologia das paranoias conspiracionistas, teria dificuldades em chegar perto da realidade do artigo de Minnicino plagiado/“traduzido” com entusiasmada aprovação e identificação pelo novo coordenador do Enem. Como se vê, plágio é o menor dos problemas de Murilo Resende Ferreira para manter-se no cargo.

Conspiracionismo e antissemitismo

Não é preciso, portanto, nem mesmo associar as ideias conspiratórias, antissemitas e paranoicas do texto precursor da teoria do “marxismo cultural” com o terrorista de Anders Breivik e seu manifesto para perceber a dimensão do obscurantismo mendaz e violento que vem tomando conta, gradativamente, de parcela da direita reacionária hoje no poder no Brasil.

Bastaria, por exemplo, uma rápida pesquisa acerca do instituto que publicou o artigo de Michael Minnicino sobre a Escola de Frankfurt e o politicamente correto. A revista Fidelio é, em verdade, o órgão de difusão cultural do Schiller Institute, que tem atuação na Alemanha e nos Estados Unidos e leva o nome do filósofo Friederich Schiller por ter, supostamente, um compromisso com a “educação estética do homem”. À parte certa nota cômica – o instituto milita em favor do que chama de “Verdi pitch”, um sistema de afinação que querem ver reconhecido e adotado oficialmente nas execuções de música clássica, como me observou Jerônimo Teixeira – não há nada de leve, humanitário ou de “estético” na atuação dessa organização. Na verdade, operam como uma seita (os relatos daqueles que a ela sobreviveram e dela escaparam são chocantes), e já se viram envolvidos com um caso de assassinato de um jovem judeu inglês. Não poderia faltar antissemitismo na receita do Schiller Institute.

De resto, esse antissemitismo não é gratuito no Instituto responsável por publicar o artigo que fez a cabeça do novo coordenador do Enem no MEC bolsonarista. Em verdade, trata-se de uma organização ligada a Lyndon LaRouche, exótico e excêntrico guru de uma seita americana que já se metamorfoseou um punhado de vezes: extremismo de esquerda (até os anos 1960) e de direita, sem nunca perder a consistência: fanatismo, conspiracionismo e antissemitismo. Segundo La Rouche, a Casa Branca, a CIA, a extinta-URSS, os banqueiros sionistas e o Mossad todos quiseram matá-lo – aliás, houve momentos, como nos anos 1980, em que LaRouche acreditava que todos esses grupos, simultaneamente, tramavam sua morte.

Apesar de não usar a expressão “marxismo cultural”, ficando apenas no terreno do “politicamente correto”, o artigo de Minnicino é considerado por Martin Jay, professor da Universidade de Berkeley e autor de uma consagrada história da Escola de Frankfurt (The Dialectical Imagination, 1973, inúmeras reedições), o pioneiro das teorias conspiratórias a associar a Escola de Frankfurt ao politicamente correto e à “decadência dos valores tradicionais”, tudo feito por intelectuais judeus contra os valores do Ocidente cristão. E apesar de o trabalho de construção da paranoia do “marxismo cultural” dever mais a William S. Lind, Pat Buchanan e seus parceiros – transcritos ipsis litteris no manifesto de Breivik – a pedra fundamental deste bizarro edifício é o artigo publicado na revista do culto LaRouche em 1992.

“Politicamente correto” e “marxismo cultural”

Não foi apenas a polêmica do plágio do artigo de Minnicino que causou problemas a Murilo Resende Ferreira na semana passada. Antes mesmo que alguém examinasse o conteúdo paranoico e antissemita do artigo em questão, circulavam pela internet outras pérolas do embuste iletrado, rasteiro e reacionário do novo responsável pela prova do Enem: o filósofo francês do século XVII René Descartes foi apresentado por Murilo Resende como o pai da “ideologia de gênero” em uma insinuação bizarra, por exemplo, para não falar das aparvalhadas declarações sobre Raskolnikóv, personagem de Crime e Castigo, de Dostoiévski, que seria um “típico esquerdista” influenciado pelas ideias de Nietzsche. Assim, poucos dias foram necessários para constatar a inépcia absoluta de Resende Ferreira: plágio, desinformação histórica elementar (a obra de Dostoiévski é anterior à primeira publicação de Nietzsche, por exemplo), total incapacidade para lidar com conceitos, confusão mental (Raskólnikov nada tem de esquerdista, Nietzsche menos ainda; Descartes nem em delírios tem qualquer relação com “identidade de gênero”) e pendor aos esquemas persecutórios e conspiratórios.

É o conjunto dessas incompetências cognitivas que fazem de Murilo Resende Ferreira um entusiasta da teoria conspiratória e antissemita do “marxismo cultural”, que se encontra em estado de “ovo da serpente” no texto de Minnicino sob a forma do “politicamente correto”. E tudo o que faz de Resende Ferreira uma indicação inaceitável para as responsabilidades que terá no Inep, entre as quais a elaboração do Enem, parece fazer dele a mais perfeita nomeação que o MEC de um governo Bolsonaro poderia fazer. Afinal, estamos falando do Ministério que tem por chefe Ricardo Véllez Rodriguez, que em 2009 escreveu um obscuro (até sua nomeação) e ressentido artigo em que afirmava simplesmente que “no período em que o general Ruben Ludwig foi ministro da educação, ainda no ciclo militar, os antigos ativistas da Ação Popular Marxista-Leninista receberam, à sombra do padre [Henrique de Lima] Vaz, a diretoria dos conselhos da Capes e do CNPq, na área mencionada”, o que justificaria o desprestígio da linha de pesquisa dele, Véllez. Tão grave quanto tal informação é a insinuação que vem a seguir: tudo teria se dado para que os futuros coordenadores da área de Filosofia na Capes e no CNPq “depusessem as armas”, pois seriam da luta armada.

Ressentimento e conspiração, como nas teorias do “marxismo cultural”. Subordinado e chefe em uníssona paranoia. Ambos discípulos, aliás, de um mesmo mestre.